sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Como ser um escritor melhor, by Havard


Estou trazendo mais algumas dicas de escrita, para os que gostam de escrever, ou mesmo aos que ainda querem se aventurar nessa maré. Lembrando que o texto a seguir é uma tradução minha, um tanto resumida, junto com alguns comentários meus também.  :)

Bom, para quem não sabe, a Harvard é uma das melhores, se não A melhor universidade do mundo. E foi quem publicou essas dicas de como ser um bom escritor, embora o link seja da Time.

Uma boa escrita é muitas vezes encarada como uma arte e, francamente, pode ser intimidante. A gente sempre fica com aquelas dúvidas: será que está bom? Será que estou sendo claro? Será que vão gostar? Quem nunca, né? T_T

Felizmente, no entanto, existem regras - ou mesmo uma ciência - por detrás da escrita também.

Nosso cérebro funciona de maneira particular; então, que regras precisamos saber para escrever da forma como o cérebro melhor entende?

Steven Pinker é um cientista cognitivo e linguista da Harvard, e é quem nos responde. Neste artigo, ele nos mostra: os dois elementos-chave que irão melhorar a nossa escrita; o maior erro que todos nós cometemos - e como corrigi-lo; a ciência por trás o que torna o trabalho escrito; e a maneira mais agradável para melhorar o seu conhecimento da gramática.

1) Seja Visual e de conversação:
Um terço do cérebro humano é dedicado à visão. Então, tentar fazer com que o leitor "veja" é uma boa meta a seguir, tendo grandes efeitos na escrita.

Somos primatas, com um terço do nosso cérebro dedicado à visão, e grandes áreas dedicadas ao tato, audição, movimento e espaço. Para nós, ir do "eu acho que entendo" para "eu entendo", precisamos ver os pontos e sentir sensações. Muitas experiências têm mostrado que os leitores entendem e lembram-se do que leem muito melhor quando a ideia é expressa em uma linguagem concreta e que lhes permite formar imagens visuais...
É bom também se focar na conversação. Muitas pessoas estão tentando impressionar os outros e parecerem inteligentes. E pesquisas mostram que tentar parecer inteligente, na verdade, faz você parecer idiota. Portanto, meu povo, é bom ser fiel a si mesmo, e escrever do seu jeito, sem muito se preocupar com as escolhas das palavras que você vai colocar no seu texto. :)

2) Cuidado com "A maldição do conhecimento":
A principal razão de sua escrita não ser clara não é sua culpa. Aparentemente, o seu cérebro não está "ligado" a escrever bem. Na verdade, é quase como se ele trabalhasse contra você.

O negócio funciona mais ou menos assim: uma vez que você aprende algo, sobre alguma coisa, automaticamente você presume que outros também o saibam. É normal, faz parte da natureza humana. Só que isso, em consequência, acaba no levando a mal escrita.

É bem simples de compreender. Vocês já devem ter se deparado em uma situação em que estava explicando algo para alguém, algo do seu conhecimento, alguma experiencia que teve, e a outra pessoa fica te olhando com a maior cara de taxo, por que não está entendendo nada! Por que uma coisa pode parecer tão simples para nós, que esquecemos que para a outra nem tanto! Os professores fazem isso direto!

Então, a dica que o artigo dá, é de pedir para que outra pessoa leia o que você escreveu, e pergunte se aquilo faz sentido para o outro. :) Se não for possível, tente se colocar no lugar do outro. Não é garantia que você vá conseguir ver todos os problemas, mas já é algo. :p

3) Não enterre a liderança:
Do inglês "don't bury the lead", é um velho ditado do jornalismo americano (creio eu). O que isso significa? Diga ao leitor qual é o seu ponto. E diga-lhes cedo.

As pessoas precisam de um ponto de referência para que elas possam acompanhar o que está lendo. Sem ela, eles estão perdidos.

Os leitores sempre têm que preencher o fundo, ler entre as linhas, ligar os pontos. E isso significa que eles estão aplicando seus conhecimentos para a compreensão do texto. Se eles não sabem qual conhecimento de fundo aplicar, qualquer passagem do texto vai ser tão superficial, que vai se tornar incompreensível. E é por isso que os jornalistas dizem: "Não enterre a liderança." — no sentido de que deixe o principal à vista. — Basicamente, um escritor tem que deixar claro para o leitor qual será seu tema e qual será o ponto da passagem. Ou seja, o escritor tem que ter algo para falar e o escritor tem que ter algo a dizer a respeito do que lê.
Mas aí, entra outra questão. Será que, com isso, não podemos acabar matando o suspense? Mais uma vez, ele diz: parem de tentar serem inteligentes e apenas sejam claros. O suspense não é útil se as pessoas não têm idéia do que você está falando, e acabam parando de ler após o primeiro parágrafo.

Um monte de escritores ficam relutantes em fazer isso. Eles estão relutantes em dizer algo como: "Este texto é sobre hamsters", ou seja qual for o tema do texto. Porque eles sentem que tipo de coisa acaba com o suspense. Mas a menos que você seja um escritor de suspense realmente qualificado ou muito bom em contar piadas, é bom não tentar construir suspense e depois ter uma epifania repentina, onde tudo faz sentido. O leitor deve realmente saber onde o escritor está levando-os à medida que avançam.
Eu mesma já tentei fazer isso, e sei o quanto é complicado. Não digo para nunca tentarem. Se não tentar, como saber que se é bom nisso? Mas é bom saber ser autocritico, e prestar atenção no que os leitores dizem, e refletir sobre o que eles estão dizendo. ;)

4) Você não tem que jogar de acordo com as regras (mas tente):
Esta dica diz respeito as regras gramaticais. Devemos seguir as regras da melhor maneira possível? Elas fazem a nossa redação melhor? É claro que sim! Mas dicionários não são livros de regras. Eles seguem a linguagem, mas eles não a guia.

É isso mesmo: quando se trata de corrigir o texto, não há ninguém no comando. Os editores de dicionário lêem muito, mantendo os olhos abertos para novas palavras e sentidos que são usados por muitos escritores em muitos contextos, e os editores adicionam ou alteram as definições.

Além disso, a "licença criativa" é incentivada. Línguas podem, devem e vão mudar e isso é ótimo. Mas para ser um grande escritor, é preciso saber as regras antes de quebrá-las. Não é simplesmente sair inventando palavras, ou formas de escrever. Quero dizer, é permitido escrever jargões, trocadilhos, gírias, desde que bem inseridos no contexto. :)

5) Leia Leia Leia:
Muitos grandes escritores nunca leram um livro sobre a escrita. Então como é que eles aprendem?
Pela leitura e de leitura e leitura. Guias de escrita são excelentes ferramentas, mas qualquer pessoa que queira melhorar a sua escrita precisa ler muito. Isso é fundamental!

Eu não acho que você pode se tornar um bom escritor, a menos que você gasta muito tempo imerso num texto que lhe permite absorver milhares de expressões idiomáticas e construções e figuras de linguagem e palavras interessantes, para desenvolver um senso de escrita. 

Sim, pesquisas mostram que você pode dizer muito sobre a personalidade de um escritor, lendo seu material. Afinal, como escrever sobre algo que você não conhece? Se colocar num texto é consequência inevitável. Mesmo que você escreva sobre alienígenas no mundo da gelatina! Porque parte do escritor vai estar na forma como ele escreve, nas palavras que ele escolhe, e não somente no enredo, nas ações descritas, em si. ;)

6) Boa escrita significa revisar:
Para ser um bom escritor, não significa que as palavras devam sair perfeitas, imediatamente. Isso significa que você gasta tempo para aprimorá-las. A forma como as idéias inicialmente aparecem na cabeça não é a melhor maneira de levá-los para outra pessoa. E isso dá trabalho.

Você precisa vencer essas palavras em sua apresentação. Arregace as mangas e lute com elas. Arranje tempo para revisar. Na própria revisão, eu mesma, sempre acabo acrescentando detalhes que, na pressa, não percebi que faltavam. O fato é que com uma segunda, terceira e até mesmo uma quarta leitura, consigo perceber o que está faltando (ou está sobrando — pois, sim, as vezes é necessário retirar detalhes que estão em excesso), além dos erros de gramática/digitação. Portanto, revisar é também fundamental para um bom resultado. Pode ser que não consigamos o melhor resultado, mas com certeza ele sairá melhor do que sairia sem a bendita revisão!

Regras, regras e mais regras. Existe uma ciência por trás das palavras, mas como Steven deixa claro, a língua está sempre em evolução. É orgânica e viva. Portanto, não se esqueçam de se divertir um pouco com a escrita, também. Como Oscar Wilde disse:

Um escritor é alguém que ensinou sua mente a se comportar mal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...