quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Vírgulas

























Como pontuar corretamente as vírgulas?, eis a questão. Esses dias uma leitora me pediu para escrever aqui algumas dicas sobre pontuação, então, cá estou a atender o seu pedido! :)

Na verdade, eu não sou mestra em pontuação, às vezes coloco vírgulas a mais, sim. Elas ainda são um mistério para mim, apesar dos macetes práticos que há para elas, pois, se não cuidarmos, acabamos caindo na tentação de colocar uma mais onde não precisa. Afinal, sempre ouvimos falar que a vírgula marca uma pequena pausa na fala. Mas acontece que não é para qualquer pausa que ela deve ser pontuada!

Enfim, para criar este post, estão, utilizei um livrinho muito bom de gramática que comprei há um tempo atrás, e anda sempre comigo para consultas rápidas. Ele se presta muito bem para me salvar de situações corriqueiras. Deixei no final do post a referência dele, direitinho, junto com o preço dele. ;)

Mas vamos, então, ao que interessa.
Em orações, a vírgula serve:



1) para separar elementos que exerce a mesma função sintática (sujeito composto, adjunto, complemento) quando não vêm acompanhadas pelas conjunções e, nem, ou.

Por exemplo:
Os olhos, o cabelo, a boca, os gestos, tudo o que indicava que Sakura estava nervosa.

2) para isolar o aposto, ou qualquer explicação:

Por exemplo:
Sasuke, o menino que incomodava, era o melhor da turma.

3) para isolar o vocativo:

Por exemplo:
Naruto, pare de dizer abobrinhas!

ou

Ah, vá catar coquinho, Naruto!

(O vocativo pode aparecer tanto no início da frase, quanto no final!)

4) para isolar o adjunto adverbial:

Por exemplo:
Depois de muitos anos, Sasuke retornou à vila.

(e notem como as orações aqui podem ser trocadas de posição sem que alterem seu sentido ;))

5) para separar elementos repetidos:

Por exemplo:
Sakura ficou putinha, putinha com o Sasuke.

6) para indicar a subtração de um elemento (geralmente o verbo) ou um grupo de palavras:

Por exemplo:
Veio a adolescência; e com ela, as espinhas na cara do Kiba.

(notem como eu não precisei repetir o termo "adolescência" depois, e mesmo assim ela fica subentendia na segunda oração "com ela").

7) para separar orações coordenadas assindéticas:

Por exemplo:
Sakura olhava pela janela, cantava alegremente, dizia-se estar feliz.

Note que temos três orações neste exemplo. 
1. Sakura olhava pela janela
2. Cantava alegremente
3. Dizia-se feliz.

E note que cada uma delas são independentes uma da outra. 

8) para separar orações coordenadas sindéticas:

Por exemplo:
Sakura estava triste, mas o seu sorriso não se desfazia.

Aqui, neste caso, temos duas orações, e a segunda depende da primeira.

9) para separar orações coordenadas unidas pela conjunção e, quando os sujeitos forem diferentes:

Por exemplo:
Sakura ficou em silêncio, e Sasuke queria gritar.

Sakura e Sasuke são os sujeitos das orações. 

Em frases em que as conjunções funcionam para dar um destaque no que se quer dizer, também se usa vírgulas.

Por exemplo:
Sakura trabalha, e corre, e dorme, e liga para os amigo, e chora, e pula, vive!

10) para separar conjunções adversativas:

Por exemplo:
Sasuke ama a Sakura, mas não consegue dizer isso a ela.

note: SEMPRE antes das conjunções mas, porém, todavia, contudo, no entanto, entretanto, a vírgula vai antes quando estão no meio da frase. Quando se encontram no início, a vírgula vai depois da conjunção.

Por exemplo:
Sakura já estava farta das indecisões do Sasuke. Contudo, ela não conseguia deixar de adorá-lo.

11) para separar conjunções conclusivas:

Por exemplo:
Sasuke estava muito irritado, por isso, então, sequer olhou para trás quando partiu.

Assim como as adversativas, as conclusivas (logo, portanto, por conseguinte, etc..) podem estar entre vírgulas, ou apresentar apenas uma vírgula antes do termo.

12) para isolar orações intercaladas;

Por exemplo:
Para quê serve tudo isso, disse a Sakura, se ele não estava nem prestando atenção ao que dizia?!

--------------

Bom, ficou faltando mais algumas regrinhas, mas porque eu mesma não consigo usá-las nem explicá-las direito, não vou me arriscar a colocar aqui para não acabar falando bobagem. Mas acredito que dominando essas aí, vocês já conseguem escrever um texto longo muito bem, sim! ;)

O livro que usei para este post é a Gramática do Português Contemporâneo do Celso Cunha. No site da editora LPM vocês encontram ele. É uma edição de bolso, e custa em torno de R$ 24,00. Nele, se encontra praticamente tudo sobre o português, com exemplos retirados da literatura nacional e explicações super fáceis de compreender. Acho que é um investimento que vale muito à pena, sim. :)

Mas é isso. Se ficar alguma dúvida, é só me avisarem. Depois, tentarei explicar sobre o ponto e vírgula. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...