sábado, 27 de abril de 2013

Micro contos



Liberta

Uma carta de amor na caixa de correspondência ameaçava cair e ser esquecida pelo vento. Mas os passos apressados e ansiosos sapatearam para lá e para cá; e foram mais rápidos. Havia uma data e uma hora escrita no papel. Era o encontro que ela tanto esperava.

Antes do entardecer, ela já estava na frente do espelho reparando suas imperfeições.

"E se...?" As dúvidas lhe davam frio na barriga, lhe enxia de medo e insegurança, e chegou a cogitar desaparecer. Por fim, pegou sua melhor roupa para aquela estação — uma blusa florida, leve e solta como seu espírito se encontrava, apesar das amarras das incertezas. Mas ela conseguiu se desvencilhar daquele grilhões, e foi correndo ao local.

A praça estava pintada de cores pelo chão. Ela pegou uma flor, e a pôs em seu cabelo. Sentou num pequeno balanço para crianças e deixou-se brincar com o vento. E quando percebeu, o tempo passou e a noite engoliu o dia. Seu coração esfriou, e logo ela entendeu que ele não viria.

Enfim, não havia mais com o que se preocupar...

..............

Eu queria poder escrever mais contos como esse, e não me ater tanto as histórias longas, mas acho que não tenho talento para isso! Eu pensei bastante (ok, nem tanto assim x.x) para escrever esse conto aí de cima...Espero que alguém tenha entendido o que quis dizer... T____T

Enfim, estou estudando tipos de contos, e achei interessante trazer para cá. A quantidade é incrível. Desde contos longos, a micro contos sem palavra alguma. Parece piada, mas garanto a vocês que não é! Essa é uma modalidade que tem se difundido bastante, inclusive, graças à internet.

Querem um exemplo? Saquem só esse:
A vida e época do homem mais preguiçoso que já existiu
(por Stanley Bubien)
""
Entenderam? Aquela frase é o título, e o resto do conto é apenas aquelas aspas — o que está entre parênteses é o nome do autor. Parece algo meio tosco, mas se pararmos para pensar, até que não. Nessa combinação do título entre aquele símbolo, podemos concluir o quê? Que o homem mais preguiçoso que já existiu, então, não concluiu absolutamente nada em sua vida, porque era um belo preguiçoso, afinal de contas. E eis o conto, que com apenas o título, conta toda uma história. 

Coisa de preguiçoso, né? Mas pelo contrário, esse tipo de conto serve justamente para fazer o leitor pensar. 
Mais um micro conto:
Um dia na vida do homem que se vestiu como um urso.
(por Stanley Bubien)
"Não atire!"
Acho esse bacana também, porque nos faz imaginar toda a cena, e o que aconteceu com o cara antes disso. Por que ele se vestiu? Onde estava para ser confundido por um urso, e estar com uma arma apontada para ele? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...