sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Comentando The Words


Sinopse pelo Adoro Cinema: Rory Jansen (Bradley Cooper) é casado com Dora (Zoe Saldana) e trabalha em uma editora de livros. Ele sonha em publicar seu próprio livro, mas a cada nova tentativa se convence mais de que não é capaz de escrever algo realmente bom. Um dia, em uma pequena loja de antiguidades, ele encontra uma pasta com várias folhas amareladas. Rory começa a ler e logo não consegue tirar a história da cabeça. Logo ele resolve transcrevê-la para o computador, palavra por palavra, e a apresenta como se fosse seu livro. O texto é publicado e Rory se torna um sucesso de vendas. Entretanto, tudo muda quando ele conhece um senhor (Jeremy Irons) que lhe conta a verdade por trás do texto encontrado.

Bom, obviamente, resolvi assistir ao filme apenas pelo Ben (*fangirl mode on*). Quando o coloquei pra rodar no meu notebook, nem falei nada pro meu namorado, porque já sabia que a figura iria xiar. Mas ele já me obrigou a ver tantos filmes com a Jennifer Aniston (ele é apaixonado por ela! Humpf u.u) que não consigo contar nos dedos, e tinha que cobrar isso dele. >:D E, claro, quando ele se deu conta de que o Ben estava ali, já pela metade do filme, o diabo só me olhou de canto, fazendo careta! >>:D

Bom, o filme começa com a personagem do Dennis Quaid (este senhor da primeira foto abaixo), apresentando o seu livro para um público considerável, numa espécie de conferência. Coisa de americano... Aqui no brasil temos "encontros com autores", com cafezinhos, numa livraria...¬¬ 

Enfim, ele fala qualquer bobagem no início, e então começa a ler a primeira parte do livro. Aí, temos na tela o feioso (ahém!) do Bradley Cooper fazendo papel da personagem principal do livro do Clay Hammond (Qauid).









Começa então a parte interessante da história. Mas antes, deixe-me esclarecer que meus comentários aqui serão rápidas pinceladas do que percebi. Antes de vir aqui escrever meus comentário, tive que buscar outras criticas a respeito do filme, porque terminei ele com a sensação de que algo ficou faltando. E para minha surpresa, eis que vejo que não fui a única. A maioria das criticas são negativas, e não somente para o filme em si, como para os atores. :/

Mas voltando à parte interessante, como eu ia dizendo, com o desenrolar da trama, que fica num vai e vem entre o tempo do livro e do que supostamente estaria acontecendo na conferência, nos é mostrado que o livro fala sobre um escritor frustrado, que tem suas obras sempre recusadas pelas editoras. E aí me interessei ainda mais pelo filme, justamente porque ele fala sobre o que é ser um escritor, e mostras as dificuldades que enfrentamos quando a inspiração não vem. E no caso do Rory (Bradley Cooper), ele acaba encontrando por acaso um manuscrito antigo, com uma história muito boa, e resolve copiar toda ela sem mudar uma única virgula! A tentação foi grande demais, diante daquele sufoco, daquele bloqueio criativo. E com o tempo, ele acabou acreditando que realmente tivesse aquela historia para contar em suas posses. 

Bom, ele publica e faz muito sucesso. Mas lá pelas tantas, para sua surpresa, ele encontra um senhor, que nunca diz seu nome, que revela ser o verdadeiro autor daquela historia. Rory, é claro, fica chocado com a noticia, mas ouve atentamente aquele senhor lhe contar como teve ideia para aquela historia tão bem escrita e desenvolvida. E então, descobrimos que a personagem central daquela historia era ele mesmo, contando suas próprias experiencia, quase numa autobiografia. E aí entra o "maravilhindo" do Ben, fazendo papel daquele senhor quando mais novo — e que continua sem nome.

Enfim, vemos então que confusão é este filme. Uma história, dentro de outra estória, que está dentro de outra... Isso é até muito interessante, e há estudos sobre esse tipo de desenvolvimento na ficção (recomento Cartas a um jovem escritor, do Mario Vargas Llosa), e isso torna o filme mais rico. E teria sido muito melhor se o diretor tivesse lhe dado um desenvolvimento mais apropriado, mais digno da grandiosidade que o filme prometia ser. Mas da forma como ele foi apresentado, ele acabou tendo um sentido meio banal, sem grande destaque. Na verdade, não sei nem dizer ao certo qual foi o enfoque do filme, por que ele apresenta tantas ideias boas, mas que se perdem no desenvolvimento fraco que recebeu. A princípio, o filme parece abordar a questão moral e ética dos escritores atuais, que estão desesperados para fazerem sucesso e escrevem qualquer coisa. Depois ele fala sobre as tomadas de decisões que as personagens enfrentam... E por fim, esse encaixe de histórias, que chegou num ponto em que achei que ele fosse querer confundir o expectador com a dúvida sobre o que é real e ficção na história (mas que também se perdeu ao final, infelizmente), e essa mistura de personagens. Que por falar nisso, as mulheres da trama, que além de acrescentarem um draminha amoroso insignificante, serviram só pra balançar a bunda na tela. ¬¬ Foram totalmente dispensáveis. Quero dizer, com exceção da Célia (a francesa que faz par com o Ben), que tem um papel mais significativo no romance, por ser a causa de tudo. E pensando dessa forma, vejo o quão banal o filme parece...¬¬

Mas mudando de assunto, vi gente criticar o Ben pela péeeessima atuação no filme. Primeiro, que ele fez o bêbado mais fajuto da historia do cinema. E, infelizmente, eu concordo com a crítica. Eu mesma fiquei pasma quando o vi cambaleando meio sem jeito, cantando qualquer coisa, mas muito mal representado. PQP, Ben! T__T Depois há uma cena de fúria, igualmente fajuta, em que ele atira quatro ou cinco coisas no chão, cai de bunda e finge muito mal chorar, pra logo esquecer tudo ao ter supostamente uma ideia brilhante no meio daquele sentimento negativo todo... ¬¬ Não faz sentido! Claro que esses detalhes foram falha do roteiro, que o instruiu a isso, mas a atuação em si também deixou muito a desejar. T___T 

Acho que já disse aqui que, apesar de babar e cair de quatro por ele, não o considero bom ator, né? Sejamos francas...ele pode ser maravilhindo, inteligente, fofo, engraçado, eloquente, sexy, lindo pra caralho (ahém!) e ainda ser formado em literatura infantil (ou infanto-juvenil...de qualquer forma é fofo e minha fonte inspiração T_T). Mas isso tudo é relacionado à pessoa, ao Benjamin Barnes como indivíduo... Eu ouso a dizer que acho ele melhor em comédias do que em drama, mas ainda assim não é muito convincente... Por que o ator ainda tem muito chão pela frente até se tornar um bom profissional. Mas claro que torço muito por ele. :3

Bom, pra finalizar, as fotos dele no filme! Sinto falta do cabelão dele, mas já aprendi a gostar desse cabelo curtinho. *_* E na cena em que ele brinca com a filha...gente, que coisa mais cuti-cuti! Deu vontade de ter um filho com ele!!! UHAIHAIUAHUAI (se eu não voltar a postar no blog, é pq fui assassinada pelo namorado! T__T)

E digo que recomendo o filme só para quem gosta do Ben, e quer babar mais. :3







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...