terça-feira, 3 de abril de 2012

Capas indiscretas


O The Wall Street Journal publicou esses dias uma matéria interessante sobre a falta de discrição de algumas capas. A matéria comentava o constrangimento que elas causam aos leitores que não tem tempo para ler em casa, e os carregam na bolsa para ler durante a viagem para o trabalho no ônibus, metrô, trem, ou mesmo no horário de almoço. E com isso, cita os aparelhos de leitura que temos no mercado, como tablets e o Kinddle, que têm sido grandes aliados desse público sem-vergonha, que necessita de mais discrição.



"Se aquela mulher sentada ao seu lado no metrô parece estranhamente compenetrada no seu livro eletrônico, pode haver uma boa razão.
Tal como acontece nos romances de amor, eles apresentam uma história de amor à moda antiga e referências à cultura pop, tais como as encontradas na chamada "literatura para mulheres". Além disso, esses livros têm sexo — muito sexo. No entanto, ao contrário da literatura erótica tradicional, o gênero "romântica" sempre inclui um final do tipo "e foram felizes para sempre".
Os aparelhos de leitura eletrônica, e a privacidade que proporcionam, estão alimentando um boom nas vendas de romances sensuais, ou literatura "romântica", como esse gênero é chamado no meio editorial dos Estados Unidos. Aparelhos de leitura como Kindle, Nook e iPad "são a versão extrema da embalagem anônima em papel pardo", diz Brenda Knight, editora associada da Cleis Press, de Berkeley, Califórnia, que edita literatura erótica desde 1980. (...) 
Tori Benson, de 41 anos, que é esposa e mãe e mora em Eustis, na Flórida, lê de 10 a 15 livros por semana, dos quais cerca de metade são eróticos. Ela começou a ler romances de amor quando menina e passou para a literatura erótica há alguns anos, quando comprou seu primeiro Kindle. Ela agora tem dois, um dos quais sua filha de 10 anos chama de "o aparelhinho sem-vergonha da mamãe".
Benson diz que o formato digital a ajudou a superar seu constrangimento. Ela resenha romances de amor para a Smexybooks.com e eróticos para o site Heroes and Heartbreakers (algo como "Heróis e Arrasa-Corações"). Mesmo assim, ela diz que não leria esses livros, se fossem em formato impresso, na frente de ninguém. "Algumas capas são explícitas demais", diz ela. (...)"

Para ler a matéria na íntegra, basta clicar aqui. Está toda em português (fiquei assim *O* quando descobri que o TWSJ está em pt agora).
Sei lá, eu prefiro ler livro em papel, do que numa tela. Adoro sentir o papel nas pontas dos dedos, adoro o cheiro que os livros têm, gosto de sentir o volume deles dentro da bolsa... Para camuflar o constrangimento, eu mesma faria uma "jaqueta" — é como o pessoal da área da editoração chama aquelas capas que são removíveis, sabe? É isso aqui, que mostro nas fotos abaixo.


No caso, essas jaquetas já vieram no livro, quando o comprei. Mas posso comprar um papel de presente bonito, e recortá-lo no tamanho certo. Ou ainda, posso comprar papel e desenhar algo sobre ele... Ficaria bem mais charmoso e, assim, ninguém veria o que estou lendo. ;)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...