quinta-feira, 29 de março de 2012

Joana D'Arc

Ontem eu estava procurando por blogs interessantes a seguir, quando me deparei com um não tão interessante, mas que indagava qual é a sua heroína favorita. O blog trazia várias imagens de heroínas dos quadrinhos. Eu nunca fui muito fã da mulher maravilha, mulher gato, bat-girl... Gosto bastante as moças dos X-man, mas não citaria elas como favorita. Joana D'Arc foi quem me veio em mente. Estranhamente. Gosto muito da estória dela, apesar de toda a religiosidade que a envolve. Não sei até que ponto da história é realmente verídica ou não, mas ela é uma figura que marcou minha memória, em particular. Quando eu era pequena, e estava na escola (segunda ou terceira série do primário) e um carro com alto falante costumava passar na rua falando de uma Joana D'Arc com tumor cerebral e pedindo ajuda financeiramente dos residentes da região para o tratamento dela. Ainda me lembro da inquietação que sentia quando ouvia o carro passar, quase todos os dias. 

Depois, de repente, ele simplesmente parou que correr pelas ruas e nunca soube o que aconteceu. Provavelmente a moça deve ter falecido, porque naquela época (me senti velha agora T_T) a medicina não era tão precisa quanto é hoje. Mas como eu disse, é algo que me marcou. O nome Joana D'Arc me dava medo. E eu nem sabia quem era esta figura. 

Alguns anos mais tarde, foi que soube da história da guerreira Joana e que morreu queimada numa fogueira em praça pública. Assisti aos dois filmes, com a Leelee Sobieski e a Mila Jovovich, ambos lançados em 1999 — sendo o da Leelee para tv, enquanto o da Mila foi para o cinema. As duas são ótimas atrizes, e é interessante notar como elas deram vida à personagem de modos diferentes. A Leelee é uma Joana mais doce, mais meiga e bondosa, enquanto a Mila já é mais agressiva. Mas as duas versões são ótimas e recomendo ambos os filmes. Os dois foram lançados em dvd aqui no Brasil. :)


Resolvi, então, procurar no site da Saraiva e Submarino por livros que conte a história da personagem. Sendo fatos reais, ou não, é um ótimo romance que conta a jornada da moça, no meio de uma guerra entre Inglaterra e França. Nascida em Domremy, Champagen, França em 1412, Joana morreu em Rouen em 31 de maio de 1431. O pai de Joana, Jaques D’Arc, era um fazendeiro e a moça nunca aprendeu a ler ou escrever. Quando tinha 13 ou 14 anos, Joana teve a sua primeira experiência mística. Ouviu uma voz chamando-a e acompanhada de uma luz. 

Achei um site que trata somente da história da Joana, super interessante. É bastante detalhado. O Donzela de Domremy.

Encontrei também pinturas que retratam a moça, por diversos artistas. Achei todos lindos e maravilhosos e resolvi trazê-los para cá. E achei um blog que fazia uma indagação interessante à respeito da igreja, que também resolvi trazer para cá, pois achei pertinente... 

"(...) toda a santidade pregada pela igreja fica onde no meio de histórias como essa (onde a própria igreja tem papel fundamental na condenação de uma pessoa - o que àquela época levava à fogueira - e séculos depois a canoniza) ?? Amar a Deus sobre todas as coisas serve só para os fiéis ??"

Acho que ele critica a atitude da igreja que condena, mesmo pregando que somente Deus tem o poder de condenar, julgar, e depois tenta desfazer o erro canonizando tudo quanto é gente. E me pergunto como alguém ainda pode ter fé na igreja! NOTEM: não estou criticando Deus, ou a religião. Estou criticando  a posição em que os fiéis colocam a igreja sem contestar nada do que ela faz ou diz, como se fosse verdade única... 

Mas enfim... fui de heroínas, memórias do passado e filmes até à igreja.. hehe.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...