quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Versões originais dos contos de fadas

Poucos sabem, mas versões originais que deram origem aos contos da disney, são completamente diferentes das que conhecemos (esse é outro post que dedicarei à Pimentinha, por que acho que tem mais a ver com o que falávamos, na verdade). Já há um tempo que eu pretendia trazer esse post para cá, mas não tinha arranjado tempo para buscar mais fontes e imagens, e, como disse no post anterior, acordei cedo e estou sem ter o que fazer. Enfim... Eu não queria citar a fonte de onde tirei as informações, por que descobri que o blog copiou tudo de outro, que copiou de outro, e assim por diante. Não queria ser injusta com a fonte original... mas resolvi deixar todos os links que encontrei, então, no final do post. Mas vamos ao que interessa.

Chapeuzinho Vermelho

A historia da menina que usa um capuz e capa vermelha ficou famosa mundialmente tornando-se a fábula mais contada de todos os tempos, desde a época medieval, quando a historia surgiu pelos ataques de lobos e supostos lobisomens famintos que sempre rondavam os bosques a procura de alimento. A versão que mais conhecemos, tem como chapeuzinho vermelho viva no final, escapando com sua avó das garras do lobo, mas em versões diferentes e mais antigas, não existia lobo, ele era uma metáfora assim como a cor da sua roupa para identificar o inicio de uma vida feminina, a passagem de criança para adulta. Tendo o capuchinho vermelho como significado para o ciclo menstrual da garota, e o lobo sendo os instintos sexuais mais selvagens que possam surgir em um humano, ou como um homem a procura de garotas na floresta.

No conto, Chapeuzinho Vermelho é enviada pela mãe para a casa da avó, com objetivo de entregar-lhe uma cesta de guloseimas, mas a avisa para não ir pelo caminho da floresta, pois lá mora um lobisomem muito perigoso. Teimosa, a garota resolve ir pela floresta, pois é mais perto, e ela chegaria à casa da avó muito mais rápido. Chegando a floresta, Chapeuzinho Vermelho encontra o lobisomem, que a faz perder tempo, e corre em grande velocidade para a casa da avó, chegando lá, ele a devora por partes, deixando o sangue da avó e alguns pedaços juntos para fazer a chapeuzinho vermelho comê-los quando chegasse até a casa.

Chegando lá, a garota bate a porta, e o lobisomem que já estava disfarçado de avó tranca a porta e começa o show de horror, até que a chapeuzinho janta a sua avó, pois o monstro havia preparado a carne da velha como uma sopa e depois a força se deitar com ele, trazendo assim interpretações sexuais para a história, e surgem as famosas frases imortais:

— Porque esses olhos tão grandes? — e então ela é respondida:
— Ó minha querida, são para te ver melhor
— Porque essas orelhas tão grandes?
— São para te ouvir melhor.
— E porque essa boca tão grande?
— É para te comer!

O lobisomem devora chapeuzinho, mas em versões mais antigas, ela consegue o seduzir com strip-tease, logo após foge, e em uma mais antiga ainda, ela consegue fugir, fingindo que vai defecar, no banheiro que existia fora da casa naquela época, e assim consegue escapar.


Branca de Neve


Na história original da Branca de Neve, a "madrasta malvada" (que em algumas versões não é madrasta e sim sua mãe original) não cai de um penhasco como é mostrado no final do filme da Disney. Ela, na verdade, é forçada a vestir sapatos de ferro em brasa e dançar até cair morta (coisa de louco, né?). Outra bizarrice nessa história é a idade da branca de neve. Na versão dos Irmãos Grimm ela tem apenas sete anos, ou seja, príncipes pedófilos eram normais naquela época. E ao invés de dar um "beijo de amor", o principie carrega o CORPO MORTO (ou adormecido, se vocês quiserem) da branca de neve para seu palácio, para que assim ela estivesse sempre com ele (isso pode ser considerado um tipo de necrofilia?). Depois de algum tempo, um de seus servos, cansado de ter que carregar um caixão de um lado pro outro, resolve descontar suas frustrações dando uma baita SURRA na branca de neve. Um dos golpes desferidos no estômago faz com que ela vomite a maçã envenenada e assim volte à vida. Mas de todas as mudanças feitas através dos anos, a mais sangrenta foi em relação ao coração da Branca de Neve. Nas histórias mais antigas a rainha não pedia ao caçador para trazer só ele. Ela queria também outros órgãos principais como pulmão, fígado etc... fora isso ela também queria um jarro com seu sangue (acho que o caçador precisou mais que um cervo pra resolver isso). Vocês devem estar perguntando: "pra que tudo isso?". Simples, ela queria JANTAR a branca de neve! Bizarro não!?

A Bela Adormecida

Essa sim tem um passado bizarro. Nas primeiras versões, ao invés de espetar o dedo numa agulha e cair desacordada, a bela adormecida tinha uma "farpa" encravada debaixo da unha. Parece uma mudança pequena, mas ela nos leva ao ponto que realmente importa. Nessa mesma versão, o príncipe não é tão encantado assim, e resolve, digamos... se satisfazer na bela ainda adormecida. Depois de satisfeito, ele simplesmente vai embora (o Budd do Kill Bill não foi tão inteligente e acabou morto). Nove meses depois, a adormecida dá luz a gêmeos que, em busca de leite acabam acidentalmente chupando o dedo dela, retirando assim a farpa amaldiçoada.

E a coisa não para por ai, o príncipe que a engravidou (estuprou) continuou voltando (se é que vocês me entendem) durante os nove meses. Quando ele chegou lá e encontrou a bela, já não mais adormecida e com duas crianças, ele decidiu se casar com ela (pelo menos isso, né?), mas ele não poderia levá-la ao seu castelo, pois sua mãe era uma OGRA! (o feminino de ogro é ogra?) que tinha o habito de comer qualquer criança que aparecesse em seu caminho.

Por isso ele esperou alguns anos até que seu pai morresse e ele virasse rei para aí então poder levar sua mulher para seu reino. E assim aconteceu, mas na primeira viagem que ele fez, sua mãe ogra resolveu fazer o que todo ogro tem que fazer: comer seus dois netos, e não satisfeita, também sua nora. Mas, com a ajuda do cozinheiro a bela acordada conseguiu se esconder até o retorno de seu marido (rei “half-ogro”), que quando ficou sabendo dos planos de sua mãe (ogra) mandou mata-la. Bunito né!?

Em outras versões, o príncipe na verdade já era rei, e a mãe ogra era a esposa do rei, o resto é bem parecido. A esposa ciumenta quer, como vingança, comer (no sentido alimentício) os dois filhos bastardos do rei, mas acaba sendo descoberta e é queimada viva numa fogueira. Moral da história, se você encontrar uma mulher desmaiada num bosque, se divirta e não volte nunca mais; ou, se você for uma ogra, não tente comer seus netos; ou ainda, se vocês for uma mulher adormecida no meio do bosque, use cinto de castidade, ou ainda, não espete seu dedo numa agulha amaldiçoada!


Cinderela

Esse é um dos contos de fadas mais antigos já registrados, e com a maior quantidade de variações também (+ou-700). Algumas versões envolvendo um peixe gigante no lugar da fada madrinha datam de 850AD! Em outras histórias a fada madrinha é na verdade uma árvore que nasce sobre o túmulo da mãe da Cinderela.

Uma das modificações mais brutais ocorre no momento em que as irmãs malvadas tentam calçar os sapatos de cristal para enganar o príncipe, numa versão bem bizarra da história, uma delas CORTA fora seus dedos do pé para vestir o sapatinho e assim enganar o príncipe. Mas ela é desmascarada pelos pássaros amigos da Cinderela, que mostram ao príncipe o sangue escorrendo pelos sapatinhos, e depois, como vingança, arrancam os olhos das duas irmãs que terminam suas vidas cegas e mancas.

Há ainda uma outra versão (na verdade, ela é tão diferente que alguns nem a consideram como uma versão e sim um tipo de CINDERELLA ORIGINS) onde a cinderela era filha de um rei viúvo (algumas vezes a própria Cinderela foi quem matou a mãe) que jurou nunca mais se casar, a não ser que encontre uma mulher tão bela quanto a falecida esposa, que tivesse os cabelos cor de ouro, e que conseguisse calçar os mesmos sapatos da finada (fetiche por pés sacou!?). Acaba que sua filha (cinderela) preenche todos os requisitos, como 2 e 2 são 4, nada mais lógico que ele se casar com a própria filha. Ela, por sua vez, na tentativa de fugir do casamento com seu próprio pai velho, barrigudo e incestuoso, foge pelo mar num armário de madeira (eu também achei estranho mais fazer o que, os caras eram criativos oras), no final ela consegue fugir, mas acaba do outro lado do mundo trabalhando como escrava na casa das irmãs malvadas, e daí pra frente começa a historia que vocês conhecem.


João e Maria

Essa por si só já é assustadora, afinal, um pai que larga os filhos na floresta para morrer de fome não é lá o tipo de coisa que se lê para crianças certo!? Mas, numa versão mais antiga, a madrasta má, que pressiona o marido a lagar seus filhos na floresta, e a bruxa má são a mesma pessoa. Achei isso bem esquisito, mas as duas personagens tem personalidade bem similar. Outra alteração feita durante os anos foi com relação à própria bruxa que, em certa versão da história, na verdade é um casal de demônios, e ao invés de cozinhar João, eles querem estripa-lo num cavalete de madeira.

Quando o demônio "macho" sai para uma caminhada, a "demônia" manda Maria ajudar João a subir no cavalete, assim, quando seu marido voltar, tudo já estaria preparado. A esperta Maria finge não saber como colocar João deitado e pede para a "demônia" mostrar como se faz. Quando ela deita no cavalete, João e Maria a amarram ela e rapidamente cortam sua garganta. Depois fogem levando o dinheiro e a carroça do pobre casal de demônios.


O Flautista de Hamelin

Nessa historia, um tocador de flautas mágico é contratado por uma cidade para livra-la de uma infestação de ratos. Ele cumpre seu papel, mas quando volta para receber seu tão suado dinheirinho, a cidade se recusa a pagar. Daí, como vingança, ele usa os poderes de sua flauta para raptar todas as crianças da cidade e só as devolve após receber seu pagamento. Até aqui tudo bonito, mensagem positiva e uma moral no fim da historia. Mas, o conto original não é bem assim, nele, o encantador não devolve as crianças depois de receber da relutante cidade. Na verdade ele faz com que elas todas se afoguem num rio. E, em algumas versões ainda mais antigas, há referencias a pedofilia em massa dentro de uma caverna escura.


A pequena sereia

A grande diferença nesse conto está em seu final. Ao invés de se casar com o príncipe e viver feliz para sempre, a pequena sereia na verdade é abandonada por ele logo após ela beber a poção mágica que lhe transforma em mulher. Mas, como tudo tem seu preço, a poção tem um pequeno efeito colateral: durante o resto de sua vida a pequena ex-sereia iria sentir uma dor tremenda nos pés, como se eles estivesse pisando constantemente em facas. Vendo a traição, alguém (juro que não consegui descobrir quem) oferece um punhal para que ela tenha sua vingança. Mas, ao invés disso, ela pula no mar e "morre" se dissolvendo em espuma. Bom, comparado com a chapeuzinho vermelho, essa é até bem tranqüila.


A Bela e a Fera

O tema e a moral são basicamente os mesmos em todas as quase 200 versões desta narrativa popular que, segundo historiadores, pode ter suas origens no início da era cristã. As primeiras passagens da história de "A Bela e a Fera" da forma oral para a escrita foram feitas pelo italiano Gianfranceso Straparola e pelos franceses Charles Perrault e Gabrielle-Suzanne Barbot de Gallon de Villeneuve, entre os séculos 16 e 18. Dentre as versões que vieram da tradição oral, uma delas retrata a Fera como um monstro em forma de serpente. Na verdade, sua aparência é o resultado de uma maldição que será quebrada graças ao amor da Bela. Quando isso acontece, a Fera volta a ser um príncipe. E é nessa condição que ele faz um das mais polêmicas confissões em um conto de fadas: a de que ele ganhou a aparência de serpente como uma maldição por ter seduzido uma órfã. Pedófilo confesso, ele foi perdoado e aceito pela pura e virginal Bela.

A Princesa e o Sapo


Se a Bela Adormecida foi estuprada em vez de ganhar um beijo, o príncipe que virou sapo também passou por apuros. Enquanto a versão infantil mais recente conta que ele ganhou um beijo da princesa para quebrar o feitiço, a primeira versão coletada e transcrita pelos irmãos Grimm mostra que ele só voltou a ser príncipe após a princesa, cansada de ver aquele ser repugnante por perto, atirá-lo com força contra a parede. Naqueles tempos, os irmãos Grimm provavelmente não imaginavam que jogar um anfíbio na parede seria no futuro considerado inapropriado para uma historinha infantil. Na narrativa imortalizada por eles, tudo começa quando a princesa perde um de seus brinquedos e encontra um sapo falante que promete ajudá-la. Após achar a bola da princesa, o sapo vai morar com ela. Mimada e irada, ela não pensa duas vezes em lançá-lo contra a parede em um dia de fúria. Violência que parece ter valido a pena ao devolver-lhe a condição de príncipe.

.....

E é isso. Num desses sites, de onde retirei os textos, cita um outro site com mais contos. Só que estão em inglês. Quem sabe, um dia, eu traduzo eles... Esse é o site, para quem tiver interesse: http://www.pitt.edu/~dash/grimmtales.html

Fontes: Misterios FantasticosMitologias e Misterios e Nerds Somos Nozes

6 comentários:

  1. Uai! Fico só uns diazinhos sem dar as caras, e já há tantos posts!
    Enfim, obrigada pela dedicação – à minha pessoa (claro xD) e por fazer esse post tão fofamente horripilante! Iahahuiahauihauha

    Olha, vou usar o mesmo tópico que usai naquele meu artigo: Se não há comprovação científica, o senso comum procura as tuas próprias respostas! Tipo, quem contaria a uma fofa criança, um fofolete conte de ninar tão horripilante? Iahuiahaiuhauiha

    Cara que horror! Será que a intenção dos autores era realmente escrever para as crianças? Se sim, eles já foram crianças algum dia? É uma forma bastante radical, pra se dar “lições de moral”, sabe.

    É claro, como eu já disse (que foi o óbvio), as pessoas pegaram a ideia original, e transformaram as estórias, naquilo que desejavam que fosse. Afinal, se é algo fictício, naqueles tempos até chegar hoje, não foi difícil moldar uma estória conforme desejamos ;)

    Enfim, adoro as histórias das Disney, mesmo com as pessoas me dizendo que são demoníacos ¬¬ aiaiuahuia. Da próxima vez que ver algum desses filmes, pensarei de como seria, se fosse feito na versão original xDD
    bjssss :**

    ResponderExcluir
  2. oieee :D nao tem por onde!! :D aiahuiahauihauiahui
    mas olha, acho que não eram para ser estórias para crianças não... duvido muito que fossem...
    Mas sabia que há teorias da conspiração, sobre os filmes da disney? Não sei se é algo "forçado" pensar dessa forma, mas as "provas" que encontraram me pareceram bem consistentes. Só não sei se são verdadeiras mesmo, ou se apenas foram manipuladas.. mas há quem encontre mensagens subliminares durante os filmes, em posteres, cartazes.. todas com conotações sexuais. Imagino que tu já deva ter ouvido falar sobre isso sim. talvez tenha alguma ligação com as estorias originais, ou talvez seja apenas jogada de marketing (todo mundo se interessa por sexo, de uma forma ou outra).... mas sem dúvida, depois dessa, faz agente pensar em como nossa infância foi pura mentira, enganosa, manipulada... hehe.
    bjss :********

    ResponderExcluir
  3. Sim sim, quando me falaram, eu pesquisei sobre isso. São um tanto quanto estranhas, porém, não deixam de estar ali. E olha, pra mim chega a ser normal falarem que os animes possuem mensagem subliminares, mas há coisas irrelevantes com esses, pois a cultura oriental diverge com a nossa. Mas a Disney?
    Enfim, jogadas de marketing ou não, de certa forma, me sinto enganada T_T iahauahiuauiah
    bjsss :***

    ResponderExcluir
  4. Oie! =D
    Eu adoro esses contos da Disney! Eles fizeram parte da minha infância e desde pequena minha irmã mais velha me contava umas versões... hm... diferentes, tipo essas que você postou só que ela omitia algumas partes.
    Não sei se você assiste ou já ouviu falar, mas existe uma série de TV americana chama Grimm que fala justamente sobre esses contos, só que nos dias atuais e de forma mais parecida com as originais. =D Recomendo!

    Sinopse: Lembra dos contos de fadas que seus pais contavam quando você era criança? Aqueles contos não eram meras alegorias, eram avisos. Nick Burkhardt (David Giuntoli) achou que estava preparado para a realidade de trabalhar como detetive policial até ele começar a ver coisas inexplicáveis. Tudo fica ainda mais complicado quando ele descobre ser um dos últimos descendentes de um grupo de caçadores sobrenaturais chamados “Grimms”.

    bjos s2 |

    ResponderExcluir
  5. Nunca ouvi nada sobre animes com mensagens subliminares. Mas nao duvido que tenha, mesmo. Esses japas são mó tarados! auihauiahiaui mas né.. animes são mais voltados para um publico mais maduro (dos 14, 15 anos pra cima)... mas a disney é que é assustadora, né. são para crianças mesmo...mas enfim..com certeza, fomos enganados! hehehe
    bjss :**************

    ResponderExcluir
  6. Oi, Luh! Bha, valeu mesmo pela indicação. Eu nao tinha ouvido falar sobre essa série ainda não. vou dar uma olhada, com certeza.
    bjss :**************

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...