quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Dicas para escrever bem



Oieee!!! Fotinho do Ben, para começar o dia com o pé direito! :D São 4:38 agora, e estou sem sono. Então, resolvi escrever este "artigo". E reparem que escolhi essa foto por um motivo especial. Já conseguem me dizer qual? Além de ele estar lindo, maravilhoso e gostoso nesse sobretudo e com luvas de couro, é claro! >:D

Bom, volta e meia recebo uma mensagem de alguém me pedindo dicas sobre como escrever.

Sinceramente, eu não escrevo bem. Ainda! Mas eu me esforço para isso. Ok, modéstia à parte, eu sei que escrevo, sim, melhor do que muita gente por aí. Mas há um motivo para isso. Um motivo bem simples.

Quando me deparo com uma mensagem como essa, sempre fico pensando no que dizer. Por que sei que muita gente espera por uma receita rápida, simples e mágica; com passo-a-passos a serem seguidos para que a obra saia no ponto como um bolo — macio, fofinho e gostoso, para que todos apreciem. Mas escrever não é assim. Escrever é experimentar coisas novas, todas as vezes em que pegamos num lápis e papel, ou quando tocamos os dedos no nosso teclado.

Mas posso dar alguns conselhos, no entanto. Como por exemplo, aquela velha "ladainha" de professor e mãe (que sempre dizem isso) sobre o costume e prática da leitura. Ler é essencial para escrever! E isso FAZ toda a diferença! Pode acreditar que sim. Como alguém pode sequer ousar querer escrever sem ler? É como querer andar de bicicleta, sem pedalar! É como querer nadar, sem os membros! Ler é essencial para escrever. Ponto final.

Por quê? Por que além de te ajudar a aprender a escrever melhor, te ajuda a criar massa crítica. E isso é MUITO importante para quando vamos nos aventurar a escrever. É preciso receber as críticas dos outros, mas é importante que você mesmo se critique, veja se “isso” está realmente bom e que “aquilo” não está, para escrever algo realmente consistente. Até para que você evolua, digamos assim.

Ah, tia Amanur, mas o que é bom para mim pode não ser bom para fulano!

É vero. MUITO vero. Mas sabem de uma coisa? Tudo o que REALMENTE é bom, é apreciado pela maioria. As obras de arte de Da Vinci, por exemplo, são admiradas no mundo todo. ;)

Mas claro!, tenhamos a humilde consciência de que somos todos marujos iniciantes nessa maré desconhecida pelos próprios veteranos. Uma coisa que costumo dizer é: escrevo para mim mesma. Escrevo para me divertir; para fugir da realidade em que vivo. E por isso, não me importo muito com o que os outros dizem sobre minhas histórias. Escrevi recentemente “Cavalos”; história MEGA clichê, ultrapassada, mas escrevi assim mesmo por que estava afim. Tenho a “Elevador”, que também é estupidamente clichê; e com certeza tenho mais histórias clichês... Tive a idéia, veio a empolgação para desenvolvê-la, e escrevi.

Eu penso o seguinte: mesmo que a história seja algo comum, a maneira como é escrita e desenvolvida, ainda pode torná-la interessante. Não estou dizendo que é o caso das minhas fics, ok? Mas acho que esse pensamento é eficaz. Até por que isso é válido como um exercício também. Escrever é como desenhar, cozinhar, cantar, dançar, atuar e fazer sexo; quanto mais se pratica, melhor fica! :D

Estou sendo meio contraditória, né? Eu sei... Mas aí entra o bom senso de cada um. E não estou dizendo que o meu senso é o mais aprimorado! Claro que não. Se fosse, eu já estaria rica, ou, pelo menos, com alguns trocados a mais no bolso. Infelizmente não é o caso. :( Se fosse, eu já estaria em Londres, beijando os pés do Ben! AHUAHIAHAIAUHI felicidade de pobre dura pouco! ¬¬

Mas voltando, então, para a questão da leitura. De novo: Ler é essencial. E não somente fics; mas livros, revistas, jornais, artigos, qualquer coisa. Vale até embalagem de bolacha (ou biscoito, para alguns) recheada (o). Ler é essencial também para desenvolver a capacidade de IN-TER-PRE-TAR — e isso é algo MUITO importante também. Já vi MUITA gente me mandando reviews dizendo que não entendeu isso ou aquilo. E eu vejo fácil-fácil que isso é problema de interpretação, por que há leitores que mostram ter entendido exatamente o que “ela” não entendeu. Se alguém foi capaz de entender, então, presumo eu, fui capaz de transmitir a mensagem, sim! Certo? Se não, ninguém teria entendido. Então, lá vou eu, pacientemente, esmiuçar os detalhes para que a pessoa compreenda o que está lendo. Por que também não vou acusar ninguém de ignorante (no sentido de ignorar). Todo mundo tem falhas; cada um vive numa situação! :D Mas se ninguém mostrar que entendeu, então, eu admito que a falha foi minha, sem problema algum. Afinal, busco sempre minha evolução, meu desenvolvimento — e acho que é o que todos deveriam fazer! ;P

Receber críticas negativas é outro ponto importante para escrever bem. Vejo muita gente aí que não sabe recebê-las, e mesmo quando a crítica é dada educadamente, tem gente que se ofende; apagam o review ou publicam “capítulos” (coisa errada, que o nyah não permite que se faça!) justificando o injustificável.

Gente, tenham em mente uma coisa! Todo mundo tem gosto diferente. Ponto final. Então, não mandem comentários do tipo “acho que a Karin não deveria ter ficado com o Sasuke!” ou “Pelo amo de Deus, não faça o Sasuke ficar com a Karin!” — Se o autor gosta do casal, ele vai deixar como ele quiser! Isso não é crítica! É gosto pessoal.

Bom, tudo bem! Continuo recebendo comentários do tipo. Hehehe. E digo que está tudo bem, por que assim como vocês têm o direito de não gostar de alguma coisa, e expressar suas insatisfações, eu tenho o direito de aceitar ou não uma crítica. Por que no momento em que eu perguntar: por que você não gostou disso, ou daquilo?, e vocês me responderem: Ah, por que não gosto!, eu vou sair dando risadas. Se não gosta de alguma coisa, me dê um BOM motivo. Argumentem. Mostrem-me no que foi que eu errei, e isso sim vai me ajudar a evoluir.

Querem ver um exemplo? Esses dias recebi uma crítica que AMEI! Não vou citar nomes, nem dizer para qual história foi... Mas a guria me disse mais ou menos isso:

“Decepcionei-me com o final dessa tua história, Amanur, por que não senti que ela era tua. Nas tuas histórias, sou sempre surpreendida com alguma coisa inesperada, e nesta fic tive a sensação de que meus pés não saíram do chão. Sei que tu buscas sempre pôr a “realidade” aos teus enredos, mas de uma forma ou outra a história começa de um modo meio surreal, e que, de repente, nos faz cair com os pés no chão, ao final. E, desta vez, não senti isso! Foi como se sempre estivesse de frente com a realidade.”

Bom, essas não foram as palavras exatas dela, mas foi mais ou menos isso o que ela me disse. Então, parei para pensar e percebi que ela tinha razão, sim. A fic era de drama, e cabia a ela um final diferente do que dei, sem dúvidas.

Mas lembrem-se, nem todas as minhas histórias serão assim. Porque para nem todos os gêneros certas “manhas” são cabíveis. Nessas histórias que são basicamente puro hentai, não há por que fazer isso. Aliás, são contos eróticos! Nada mais. Não há a tal das mensagens que sempre digo ser importante transmitir, por que o papel dessas fics é puramente molhar a calcinha de vocês! AIUHAIUHAUIAHAUIHAI. Mentira! Estou dando aulas de educação sexual para vocês! u.u Estou mostrando como é que se faz! auihaiahiuahauiahuihaiuiah

Oh, falando sério... E em comédias, eu preciso tomar cuidado extra com a comicidade. Como é uma comédia, eu não posso dramatizar muito para que a história não perca a graça e vire algo sério demais, compreendem?
E aqui, quero aproveitar o espaço para comentar algo importante. De vez em quando, recebo mensagens de pessoas me cobrando a fic tal, ou tal. E confesso que adoro quando vejo que a pessoa nunca escreveu uma fic! Hauihaiuahuiahi. Sem querer ser chata, nem nada, mas gente, primeiro: cada um tem seu ritmo; Segundo: escrever comédia (já que a maioria me pede para continuar minhas fics de comédias) é o gênero MAIS DIFÍCIL de escrever. E sabem por quê? Por que todos nós temos senso de humor diferente. O que é engraçado para mim, pode não ser para vocês. E vejo isso claramente nos reviews, com gente me contando que se mijou rindo em tal parte que eu, particularmente, não via a MENOR graça. Além disso, uma piadinha já contada antes não surtirá o mesmo efeito se contada outra vez. Portanto, é necessária uma ÓTIMA dose de besteirol no armário para tomar, quando nos aventuramos a escrever comédias. E a tia Amanur, infelizmente, não tem tudo isso! T_T Aliás, é bem difícil encontrar alguém que tenha. Então, me dêem um tempo, ok? Eu sei que é xarope ter que esperar pela continuação de uma história. Eu mesmo canso de me remoer esperando pela segunda edição de um livro, ou mangá. Mas até mesmo os profissionais precisam de um tempo para escrever. ;)

Outra coisa sobre os reviews; além de me dizer que gostou do capítulo, elaborem o que vocês leram. Reflitam sobre o que eu ou qualquer outro autor escrevemos. Pensar faz bem à saúde. Ajuda a desenvolver a tal da massa crítica, que antes mencionei. Quantos de vocês já não passaram por determinada situação em que se viu constrangido por não ter opinião formada sobre determinado assunto? Pensem! Me digam o que vocês acham que o Sasuke está pensando, ou por que ele agiu de tal maneira. Coloquem-se no lugar das personagens. Isso é ótimo até para a compreensão e interpretação da história. E para mim, isso é ótimo por que verei se errei, exagerei, ou fiz com que a reação da personagem fosse fraca demais. E isso sim, é uma crítica. Por que vocês estarão apontando erros para o meu enredo; para a criação dos meus personagens, e etc. Assim, poderei ver se eu realmente deveria ter detalhado tal coisa, ou não.
Enfim, voltando ao assunto, ler é importante (e vejam quantas razões estou dando para que vocês leiam!) por mais um motivo: aprimorar a capacidade de expressão. Quanto mais vocês lerem, melhor desenvolverão a capacidade de comunicação. E escrever é o quê, se não comunicar?! Escrever é transmitir alguma mensagem, uma história uma emoção. Mas como fazer isso, se você não sabe se expressar? Já cansei de me deparar com reviews de pessoas me dizendo coisas sem pé nem cabeça. Começam com um elogio e de repente metem uma cena da história, sem explicar a relação, e então finalizam contando sua vida com mais uma opinião pessoal. Esse tipo de situação já me ocorreu várias vezes, e tive que reler umas 65484132131599 vezes para conseguir entender o que a criatura está querendo me dizer. É complicado. É tenso! Hehehe. E a capacidade de expressão não se reflete somente na escrita não. Na fala também. Quantas vezes já nos deparamos com colegas que se enrolam para explicar algo e acabam repetindo a mesma coisa 20 vezes, por que não sabe se fazer entendido? Para quem tem que ouvir, é triste. É de fazer qualquer um se descabelar.

Então, pessoal, vamos ler! De preferência, bastante. Quanto mais, melhor! :D

E agora falarei sobre a questão do português. Quando eu estava na escola, confesso que DETESTAVA o tal do português. Português é a língua mais difícil de ser aprendida, gente! Não é à toa que vemos tantas plaquinhas por aí como essa, da imagem abaixo.


(essa imagem tava rolando no facebook)

Vou morder a orelha de quem me perguntar qual é o erro! Isso arde nos olhos de quem tem o mínimo de cultura e conhecimento. Mas é a realidade, fazer o quê? E um dos motivos pelo qual isso ocorre, é a falta de prática de leitura. Mas as escolas levam uma parcela na culpa também, pelo método arcaico de ensino da alfabetização — não vou entrar em detalhes sobre isso, por que não é o propósito deste post.

O português é importante para fazer com que o leitor se prenda à leitura. Muita gente deixa de ler fics quando vêem que está mal escrita. Eu mesma canso de fechar a janela quando me deparo com uma! E não é por frescura! É por que a escrita influência, mesmo que inconscientemente. Aliás, eu diria que, principalmente, inconscientemente! Quantos aqui já não escreveram num texto "vc", ou, pelo menos, já viram alguém escrever assim? De tanto você ver o seu amigo escrever “vc”, você acaba escrevendo assim também. Mesmo que se faça isso apenas para "agilizar" a comunicação, isso fica gravado na memória. Então, quanto mais nos esforçarmos a escrever melhor... melhor! Hehe. Você só terá com o que se beneficiar com isso. Ninguém nunca foi prejudicado por saber escrever bem, certo? Pelo contrário; escrever mal diminui suas chances no mercado de trabalho, inclusive. Você até pode conseguir um empreguinho como empacotador de supermercado, mas com certeza não será muito mais do que isso na vida! A não ser que você tenha nascido com a bunda virada para a lua. Mas é melhor não arriscar.

Bom, não sei se todos concordam comigo, mas acho que escrever algo, e publicá-lo (seja lá onde for!), é algo de grande responsabilidade. Por que como eu já exemplifiquei antes, a leitura influência no modo de escrever. Então, eu penso que todos deveriam escrever tendo essa responsabilidade em mente: que, ao postar, você poderá estar influenciando alguém com a sua escrita. Ou seja, você pode ser culpado por alguém continuar a escrever errado!

Ok, parcialmente culpado. Por que buscar evoluir é algo que TODOS devem fazer! Por isso, eu fico injuriada quando vejo alguém dizer que não teve tempo para revisar o texto, e assim mesmo posta o capítulo cheio de erros absurdos! Pô, se não teve tempo, então espere um pouquinho até conseguir esse tempo! Os leitores agradecem! (ou deveriam!)

Notem: não estou dizendo para vocês virarem mestres no português, da noite para o dia. Isso é impossível, inclusive. Mas saber escrever, no mínimo, razoavelmente, é essencial. E o que é escrever razoavelmente? É não errar na grafia das palavras. É não escrever “escolida” ao invés de “escolhida”. É não escrever “Fui numa festa de aniversário fúnebre.” Se vocês têm dúvidas sobre o significado de alguma palavra, OLHEM o dicionário! Além de ampliar o vocabulário de vocês, isso evita que passem por constrangimentos. http://michaelis.uol.com.br/

Deixem de ser preguiçosos, e aprendam a gostar de aprender! :D Aprender coisas novas é maravilhoso!

Além disso, o Word é magnífico, sabiam? Corrige maravilhas. Basta apertar a tecla F7 (aprendi esse atalho maravilhoso com a Abella XD), e pronto!, ele vai corrigindo. É mamão com açúcar! Uma mão na roda!

Ok, o Word não é perfeito. Tem muitas palavras que ele não corrige bem... Mas olha, com certeza, ele melhorará o seu texto em 90%. E isso faz uma diferença desgraçada! Eu mesma não sou expert em português, e me saio bem com ele.

Além disso, com relação à pontuação, o Nyah tem uma seção sobre isso. As aulas da Aluada são magníficas. Ela é a melhor professora que já tive. Claro, eu sei que ainda cometo alguns deslizes. Alguns por falta de atenção, outros por não saber mesmo. Mas com certeza meu texto está MUITO melhor hoje, do que ele foi no ano passado! E se depender de mim, vou melhorá-lo ainda mais. Até por que eu tenho orgulho de saber falar e escrever (mesmo que ainda razoavelmente) a língua mais difícil do mundo! \o/ E todos nós deveríamos aprender a gostar do português. É uma língua com palavras belíssimas.

Bom, voltando ao assunto... Além disso, tem outra coisa. Quem costuma ler bastante, nota que os autores têm modos diferentes de escrever. Alguns são mais diretos, outros são mais metafóricos, ou são mais descritivos, mais narrativos, e por aí vai. Não há uma receita de como escrever, como eu já disse... Isso varia muito de acordo com as tuas influências literárias, e como você se sente mais à vontade para escrever. Eu prefiro escrever em primeira pessoa, por que isso me permite aprofundar nos sentimentos da personagem. E como em primeira pessoa eu só posso mostrar o que essa personagem vê, eu consigo manter certo nível de mistério, por não revelar o que os outros personagens vêem. Além disso, a linguagem da escrita pode ser mais casual. Por que estou mostrando como a personagem pensa, a nível mais realístico. E assim, eu consigo atingir mais um publico mais jovem. Notem que a maioria dos livros infanto-juvenis é em primeira pessoa! E é justamente por esse motivo! ;)

Em terceira pessoa, a linguagem já tende a ser mais formal. Mas não seria considerado errado escrever de forma mais informal. Só depende de como você conduz a sua história. E em terceira pessoa, o narrador tudo vê, tudo sabe! Logo, o leitor também. :) Claro, ainda dá para manter o mistério em terceira pessoa. Mas o autor precisa saber bem como fazer isso. Eu, particularmente, me sinto mais à vontade com primeira pessoa, e por isso escrevo assim. Mas como eu disse antes, cada um precisa descobrir como consegue escrever melhor.

Mais uma dica importante, que posso te dar, é fazer sempre com o que o leitor visualize as coisas que você está escrevendo. E isso se faz com as descrições. Na minha aula de português, a professora apontou para os sentidos que o autor deve transmitir. A visão, o tato, o paladar, o olfato e a audição. E ainda há mais o sentimento, que não se enquadra em nenhum destes sentidos, mas que deve aparecer também. Descreva o que o personagem está vendo (mas não precisa ser nos mínimos detalhes, ok?), o que ele toca e a sensação que ele sente ao tocar. Mostre ao leitor o gosto das coisas que ele come e bebe. Mostre o que ele sente, ouve... Isso tudo é importante para fazer o leitor se sentir dentro da estória. E enriquece o enredo.

Outra coisa que eu sempre digo: uma história só pode ser considerada boa se transmitir uma mensagem ao leitor. Com uma mensagem, transmitimos, também, emoções aos leitores. Quantos aqui já não leram um livro, ou viram um filme, em que o final o fez chorar? Ou que pelo menos deixou uma forte sensação no peito? E justamente por isso, você jamais esquecerá o que leu/ assistiu. Mesmo que o final não tenha sido o que o leitor queria. E geralmente, na verdade, isso ocorre justamente quando o final não é o que ficamos torcendo para que seja. Querem um exemplo prático? O filme Titanic. Quantos não torceram para que o Jack sobrevivesse? Putz, eu que não sou chorona, chorei uma cachoeira naquela cena. Jamai vou me esquecer do filme, mesmo que o final tivesse sido aquele. Ok, Titanic também não é o meu filme favorito, mas creio que o exemplo é bem válido. E tenho certeza de o exemplo os fez lembrar de filmes em que vocês se sentiram como me senti com esse.

Por que quando você se depara com o inesperado, há um "choque" que deixa a marca na memória. Por isso não me importo muito quando alguém me diz que se decepcionou com o final, ou ficou furioso com isso. O leitor sentiu algo! E geralmente sentimos coisas mais fortes quando a reação é negativa mesmo. E fazer o leitor se emocionar, seja como for, é o que importa. Putz, eu fico super feliz quando alguém me diz que se emocionou com tal cena, mesmo a cena tendo sido super banal para mim. Mas saber que consegui emocionar, pelo menos, uma pessoa já fico satisfeita. Por que isso significa que a minha história vai ficar mais marcada na memória dela, do que a maioria das fics que vemos por aí, vazias, sem mensagem para passar, sem emoção para se sentir. O típico romance entre a mocinha e o badboy está tão saturado, que sozinho não se sustenta mais.

Mas claro!, usemos o bom senso. Não vão sair matando todos os personagens de suas histórias! Hehehe. Com o tempo, o leitor vai captar essa sua "tendência" e suas histórias poderão deixar de ser interessantes por que ele já sabe qual vai ser o final. Eu, pelo menos, detesto pegar uma história e já ter a certeza de qual será o final! Por isso, variem! Tanto nos finais felizes, quanto nos trágicos, e nos não tão felizes.

Voltando à questão da mensagem, não precisa ser filósofo para escrever uma mensagem. Basta você escrever suas reflexões sobre o cotidiano, ou qualquer outra coisa que chame sua atenção. Reflita sobre isso, e escreva sua opinião, mas sempre dando argumentos. Diga por que você acha isso, ou aquilo!

Outro ponto que julgo ser importante abordar aqui é a respeito das diferenças entre uma história literária, para uma história jornalística — como os profissionais chamam. O texto jornalístico descreve os fatos como são. O literário não! Ele transmite uma mensagem ao leitor, explicitamente ou não. E aí entra o uso de metáforas. Mas claro, as metáforas não são necessárias para fazer de um texto algo literário. Mas elas, sem dúvidas, embelezam o texto dando um significado mais profundo, e tal. No entanto, usar metáforas, realmente, não é para qualquer um! Mas também não quero dizer que é coisa só para poetas! Bom, eu confesso que eu mesma não consigo! T__T Mas tentem! Quem não arrisca, não petisca!

E há mais um detalhe, sobre essa questão do que é literatura e o que não é. Volta e meia comentam que não expliquei direito tal coisa. Tem gente que quer tudo mastigado. Como eu expliquei agora sobre a diferença entre texto literário e jornalístico, neste segundo é onde entregamos os fatos, em todos os seus detalhes. Afinal, o propósito do jornalista é mostrar o que aconteceu para o espectador. Como ele pode dar a notícia sobre um acidente, sem nos dizer que acidente foi? Quantos feridos e mortes houve, e o local do ocorrido? Na literatura isso não é necessária! Primeiro, por que uma das coisas mais maravilhosas sobre a literatura (no meu ponto de vista, e creio que de muitos por aqui) é a liberdade que temos para imaginar as coisas.

Por exemplo:

"Entrei na sala. O cômodo era amplo, com poucos móveis."

E agora:

"Entrei na sala. As paredes eram pintadas num tom laranja que ofuscavam meus olhos. O cômodo era amplo, com poucos móveis. Havia um sofá pequeno, marrom, ao lado da janela grande. Havia uma estante em frente ao móvel, em cor mogno, sustentando uma televisão de quarenta polegadas."

O excesso de detalhes pode quebrar o encantamento da imaginação. Por tanto, é necessário o uso do bom senso quando vamos descrever alguma coisa. Por que além de quebrar a liberdade de imaginação do leitor, um texto muito descritivo pode tornar a leitura cansativa. Detalhe somente o essencial à sua história. Nunca escreva algo só para encher lingüiça. Autores profissionais têm consciência de cada palavrinha que foi dita, e as usou por que teria algum papel importante para a história. Nenhuma informação é dada gratuitamente!

Ah, preciso comentar sobre algo... Vejo muita gente começar sua história com:

"Olá, sou Sakura Haruno, tenho olhos verdes e cabelos cor de rosa! Minha pele é branquinha, sou magricela e sou assim, assim e assado!"

GRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRR!!!!!

Não façam isso! Quem é fã de Naruto já está CARECA de saber como diabos a Sakura é. Ah, tia Amanur, mas tem gente que nunca viu Naruto e pode se aventurar a ler uma fic da categoria!

Siiiiiim, eu sei disso, meus queridos! Eu mesma já li umas duas fics do Percy Jackson antes do filme sair, sem fazer a mínima idéia de que era uma série de livros. Mas aquelas fics foram tão bem escritas e criativas, que continuei lendo. E olha que não costumo pegar fics sobre gêneros desconhecidos para ler! Mas para esses casos, o que se DEVE fazer, então:

"Olhei-me no espelho, para arrumar os fios rebeldes do meu cabelo cor de rosa."
"Sasuke elogiou meus olhos verdes."

Entenderam a diferença? Sutilmente, dei as características físicas das personagens. Por que o "Olá, sou Sakura Haruno, tenho olhos verdes e cabelos cor de rosa!" é uma apresentação. Não precisamos que nos apresente a ela! Já sabemos como ela é! E ter que ler isso torna a leitura um tanto cansativa, repetitiva, monótona. Tipo, "blablabla, já sei disso!" E pulo essa parte. Além disso, esse tipo de introdução já está tãaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaoo saturado, que dá nos nervos. Eu NUNCA comecei uma fic assim. Isso é valido somente para o caso de ORIGINAIS. E assim mesmo, é dispensável. Podemos dar as características físicas dos nossos personagens de outras maneiras mais criativas. Não se subestimem! ;)

Bom, sobre a criatividade, eu digo que é algo que vem de pessoa para pessoa. Alguns dizem que é um dom, mas não é! Ela pode ser desenvolvida sim. Talento, é que eu considero como sendo um dom... A criatividade pode ser desenvolvida com exercícios de observação. Observem pessoas nas ruas, observem os animais, prestem atenção em letras de músicas, observem tudo o que acontece à nossa volta. Às vezes, podemos estar olhando uma criança correr, e ter uma idéia a partir daquilo! É somente com isso que desenvolvo minhas idéias. Nada mais.

Sobre enredos, é importante pensar no início meio e fim. Para que não desanime no meio e desista. Mas assim mesmo, isso pode acontecer. Várias foram as vezes em que pensei numa coisa enquanto escrevia e fui mudando tudo depois. Afinal, mais idéias vão surgindo enquanto escrevemos. E quando resolverem abordar algum assunto sobre o qual vocês não têm conhecimentos, PESQUISEM. Não falem sobre o que não sabem! Por que isso afeta a verossimilhança da história! Esses dias, minha amiga Abella comentou sobre uma fic que estava lendo. A personagem dessa história usava drogas PE-SA-DÍS-SI-MAS e a toda hora, bebia MUITO, nunca sofreu com overdose e ainda estava grávida! Gente!, em casos assim, sabemos que o usuário não bate mais bem da cabeça, e que ou a mãe perde o filho em seguida, ou a criança nasce com SÉRIOS problemas de saúde! Então, tomem cuidado com o que vão escrever!

Verossimilhança é fundamental para a história. Até mesmo em ficções e gêneros de fantasia, é preciso manter um nível real da coisa. Não digam que a personagem estava chorando pela morte de alguém, e de repente ela sai saltitando felicidade por aí! Isso NÃO acontece! Verossimilhança é o atributo daquilo que parece intuitivamente verdadeiro, ou seja, o que é atribuído à uma realidade (fictícia ou não), portadora de uma aparência ou de uma probabilidade de verdade na relação que se estabelece entre a imagem (que o autor passa com as cenas, personagens, cenários, etc) e a ideia. É extremamente improvável que uma criança nasça perfeitamente saudável dentro daquelas circunstância, levando em consideração que a fic dela não era do gênero fantasia (histórias com vampiros, fadas, anjos, duendes...onde quase tudo é possível), para se dizer que ela milagrosamente deu à luz a um mutante! Afinal, nascer bem dentro dessa situação, a criatura só pode ser um mutante! Cuidem o que vocês estão escrevendo! E se quiserem meter uma doença rara num personagem, PESQUISEM sobre a doença. Por que literatura é cultura. A não ser que sua história é do gênero fantasia, como Senhor dos Anéis em que o mundo era COMPLETAMENTE diferente do real, e tudo era possível. Mas notem que o mundo da saga Crepúsculo, por exemplo, já nem tanto. A autora mistura os gêneros. A história contém seres sobrenaturais, num mundo real. Por tanto, no caso dela, fora a gravidez com três dias de casamento (que assim mesmo acho duvidoso, mas vamos fingir que o vampiro, apesar de estar morto, tinha espermatozoides super poderosos né?! uiahauhai), inventar uma doença para a Bella antes de se tornar vampira, pelo menos, seria intragável. Tenham cuidado com esse tipo de detalhe!

E agora, deixo minha dica final: criação de personagens! A coisa mais legal sobre a história, no meu ponto de vista, é isso; criar personagens. Sabem por que Naruto, Bleach, One Piece, e etc, fazem tanto sucesso? Não é só pela história. São pelas personagens. As personagens precisam cativar o leitor. Precisam convencer o leitor de que são reais. Peguem um papel, enumerem as personagens principais de sua história, e os descrevam. Por exemplo:

Hinata: tímida, mas perseverante.
Sakura: extrovertida, meio briguenta, forte, chorona.
Temari: durona, séria, compenetrada.

Compreenderam? E procurem manter-se fiel às características que vocês propuseram durante toda a história. Não façam uma Sakura tímida, para de repente sair mostrando calcinha, sem mais nem menos. A mudança de personalidade é viável sim, desde que ela seja gradativa — que não seja de uma hora para outra! Afinal, ninguém muda assim, da água para o vinho, e sem motivo externo algum.
A diversidade nas personalidades é o que vai tornar a história de vocês mais interessantes. Lembrem-se que pessoas choram, comem, podem ser cômicas, irritadiças, sarcásticas, mandonas, têm manias, cometem erros e acertos, têm estilos de vida, modos de se vestir... Busquem características reais para dar aos seus personagens. Uma coisa que muitos autores fazem é espelhar seus personagens em alguém real, que eles conhecem. Isso é um ótimo exercício! ;)

E mais um detalhe que esqueci de comentar: cuidem o "relógio" da fic de vocês. Tem gente que apressa muito o relacionamentos dos personagens. Já cansei de ver fics em que o casal principal são desconhecidos entre si e, de repente, já estão na cama! NÃO! Dêem um tempo para o relacionamento deles se desenvolverem. Mas também não enrolem muito, por que torna cansativo. Infelizmente não há uma fórmula mágica para isso... só o uso do bom senso mesmo...

Bom, no fim acho que acabei falando de mais! Hehe... Espero não ter ofendido ninguém. Não dirigi crítica a ninguém em especial, até por que mal lembro o que comi ontem! T_T mentira, comi miojo!

Mas acho que isso é tudo o que posse dizer...
Alguém leu isso tudo, ou "falei" sozinha? T_T

Não se acanhem em me dizer o que acharam das dicas! E se tiverem mais alguma sugestão, dúvida, críticas, pedidos... façam! Os atenderei com maior prazer!


bjs :****

16 comentários:

  1. Nossa, muito obrigada, me ajudou demais! Um beijo

    ResponderExcluir
  2. Amanur, querida. kk Falando em verossimilhança, queria tirar uma pequena dúvida.

    Há muuuitos séculos atrás, escrevi uma merda de uma cena de estupro da Sakura, e ali ela teve sua linda barriguinha cortada por um dos estupradores. Levando em conta que estamos no universo ninja, e não no real, você acha exagero dizer que em 4 dias ela teve seu ferimento QUASE cicatrizado? Tipo, não me recordo agora se ferimentos podem ser curados por algum jutsu, mas enfim..

    E, ah. Obrigada por isso (ou devo agradecer à sua professora?):

    "Descreva o que o personagem está vendo (mas não precisa ser nos mínimos detalhes, ok?), o que ele toca e a sensação que ele sente ao tocar. Mostre ao leitor o gosto das coisas que ele come e bebe. Mostre o que ele sente, ouve... "

    =**********

    ResponderExcluir
  3. Ignore o 'Rosana', aí em cima. Fui eu que mandei, tava logado errado. ¬¬'

    ResponderExcluir
  4. Olá, Rosana! ^_^
    Então, se eu não me engano, em um dos episódios, lá quando a Akatsuki atacou Konoha, a Sakura saiu curando os ferimentos do povo com um jutsu sim. Eu não tenho certeza, mas pelo que entendi, ela apenas fechava os ferimentos superficialmente. Internamente, a criatura permanecia com o corte — por que eles continuavam deitados, resmungando... Foi o que eu entendi... Mas de qualquer forma, a ferida era curada mais rapidamente. Então, acho que estava perfeitamente cabível tu dizer que ela estava QUASE curada em 4 dias sim. DESDE que você tenha explicado que tinha sido graças ao jutsu. Afinal, ninguém é advinha. Acho que nesse caso é bom explicar isso sim. Até por que alguém ainda poderia supor que a tua personagem recebeu um tratamento convencional; e dai sim, teria ficado estranho. Quando tu escreve sobre gêneros de fantasia (acho que Naruto tem alguma coisa de fantasia, por que os Ninjas japoneses mesmo não fazem mágicas com jutsus algum! hehe) é bom explicar por que certas coisas sobrenaturais (como essa habilidade para se curar mais rápido) acontecem. Claro, tu não precisa dar uma explicação cientifica pra isso. Mas diga que teu personagem tem o dom ou o poder de curar; entende o que eu quero dizer?

    "E, ah. Obrigada por isso (ou devo agradecer à sua professora?):" — agradeça à nós duas; à minha professora por me ensinar, e à mim por ensiná-los! :D
    bjss :***************

    ResponderExcluir
  5. Já era! Já respondi pra "Rosana"! aiuhahi
    :*********

    ResponderExcluir
  6. Post fantástico, ajuda muito na hora de desenvolver certa ideia e torna-la algo concreto.
    Admirando você ainda mais
    Kissus Ja ne

    ResponderExcluir
  7. Que bom saber que o blog está sendo útil! :)

    ResponderExcluir
  8. Olá Amanur!
    Nossa, suas dicas me foram bastante convenientes. Entendo quando você diz que passa longe de textos mal-escritos e sei que não é por prepotência ou algo assim, então... Não esquenta!
    Hummm, pois é, agora eu tou me sentindo um lixo porque inventei de começar umas fics aí, mas a criatividade me abandonou :(
    O que faço???
    Uma luz!!!
    Oh, me lembrei de "Lux Aeterna" =D
    Errr.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  9. Oi, Amanda! Desculpa a demora para te responder T__T

    Mas olha, sinceramente, com relação à falta de inspiração, te digo que estamos no mesmo barco. Eu ando passando por um momento de déficit dela também. Mas acho que assim, sem pânico! Tenho certeza de que todos os escritores passam por momentos assim também. É super normal. Afinal, o estresse, trabalho, escola, faculdade, família...tudo suga nossas energias. Mas o importante é não desistir! Sair para caminhar, praticar exercícios, dá uma volta na quadra, ouvir musica, ler um livro, ou quadrinhos, observar as pessoas... sei que isso tudo ajuda a estimular a criatividade e a inspiração. :)

    ResponderExcluir
  10. Amei o artigo, ajudou muito e concordo com muitas coisas que você disse! Vou tentar melhorar a partir disso.
    Odeio quando vou ler uma fanfic, e ela está mal escrita e com erros de português imperdoáveis, que mesmo uma criança na primeira série não cometeria...
    Enfim, muito obrigada pela ajuda!

    ResponderExcluir
  11. Que bom que lhe foi útil, Laura. :D

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Eu acabei de te encontrar nos meus favoritos e fui ler a tua história "Coffe House" no Nyah, quando me deparei com o teu blog. Agora, ando a espreitar por aí :P
    Já agora, sobre a "Coffe House": tinha feito um comentário ENORME... mas, aparentemente, demorei tanto tempo que enviei e aquilo tinha feito LOG OUT da minha conta AUTOMATICAMENTE e eu perdi tudo o que escrevi T^T (combinação de modo anónimo do g. chrome com qql coisa parva do site acho eu...)Fiquei tão triste, que ainda não ganhei coragem para comentar outra vez... X_X Mas eu sou a [chata da] portuguesa que faz comentários enormes XD. Hello! XD
    Sobre isto: bem q podia ter sido escrito por mim hahaha XD tais são os teus exemplos e argumentos XD. As diferenças estariam: eu NUNCA acabei uma long shot, portanto, não tenho pessoas a fazer-me perguntas como tu :P; e eu adoro aulas de Português XD. Fora isso, concordo contigo e acho os teus argumentos muito válidos :)
    Também me irrito com essas descrições de "olá, sou a tal, meço X e sou assim e assado!"...XD E agora vou dar-te outro exemplo terrível XD... Autores que, em TODAS as fics, põem uma personagem a levantar-se da cama, ir até ao banheiro tomar um duche e depois olhar-se no espelho e descrever-se.
    TIPO, WTF?!?! Falo por mim, mas eu NUNCA tive um dia em q eu me levantasse da cama e me olhasse ao espelho e pensasse "Chamo-me *inserir-nome*, meço 2m e peso 50kg. Sou assim e assim, blábláblá." E aí continua XD. É outra maneira péssima de começar fics…
    Porquê q o espelho é uma coisa má? Porque ninguém se descreve em pensamentos quando se olha ao espelho!!! Pode analisar-se, mas descrever-se.... Não. Pensa sobre isso, se tiver de ser, durante uns minutos e diz-se se tenho ou não razão...
    Portanto é irreal usar-se espelhos para alcançar uma "desculpa ideal" para enfiar uma descrição no texto, é uma coisa "à amador", que tenta ser subtil e fugir ao "olá, sou assim e assado", mas que ainda o faz, indirectamente XD. Li outro dia um comentário de uma outra blogger sobre este assunto em que ela dizia que todos os escritores podem ser perdoados, desde que só façam isso UMA VEZ durante toda a sua vida XD, antes de ganharem juízo e aprenderem a fazer diferente XD
    Façam como a Amanur sugere, sejam menos óbvios XD por favor! Ou eu e muitos outros reviraremos os olhos e, se a coisa for muito, muito má, provavelmente também fecharemos a janela XDD (porque se a parte inicial, q deve ser a parte que faz com que o leitor se interesse e preocupe com a história, for uma porcaria, quem lhe garante que o resto será bom? Fecha-se a janela e pronto, problema resolvido...)
    O que me leva a: resumos. Por favor nunca escrevam "está mau mas a história está melhor!". Se vocês são capazes de me dizer com a maior cara de pau que algo que vocês escreveram está mau e não cumpre o dever para o qual vocês o criaram (resumir de maneira apelativa a história), como podem esperar que eu, ou outra pessoa qualquer, vá ler a fic, que é uma coisa q vocês TAMBÉM escreveram? Posso confiar que será diferente do resumo? Posso confiar que cumpre o objectivo: ser algo minimamente decente? Hmmm?! ... Não, não posso. Não tenho quaisquer garantias disso. Portanto, não leio.
    Mas enfim *suspiro*, entretanto nem dei pelo meu discurso mudar do "tu" dirigido à Amanur para um hipotético tu/vocês dirigido aos aspirantes a melhores escritores. Vou mas é voltar a falar para a Amanur XD!
    Acho que vou virar tua "stalker" aqui pelo blog, como já fazia pelo Nyah no ano passado, antes do período em q tive de deixar de aparecer... Sinto saudades das tuas fics, ó ContadoraDeHistórias magnífica! :D
    Beijinhos, bom texto :D

    ResponderExcluir
  13. Olá, Namelessness!

    Deixe-me te perguntar uma coisa...tu estudas literatura, ou algo parecido? Tive essa sensação pela maneira como tu observa e se explica. E confesso que até me deu "medinho" quando vi que lestes isso! hahaha Eu estou estudando letras, com ênfase no inglês, mas tenho algumas disciplinas de português e literatura...mas ainda estou no início do curso, então, meus conhecimentos são limitados à pesquisas na internet e observações pessoais. E tu vês, escrevi esse texto em 2011!

    Enfim, concordo e assino embaixo com o que dissestes sobre as sinopses (resumos). Eu também não confio em quem já diz logo de cara "a sinopse está ruim, mas a fic é boa!" Sim, claro! ¬¬ acho que já postei aqui no blog algo sobre isso também, mas agora não tenho certeza...Mas realmente como confiar em algo que a própria pessoa não confia? Se a sinopse (ou resumo) é a menor parte da fic, e ela não consegue escrever bem, como posso confiar que a história será melhor? Simplesmente não há como! Mas certas coisas que relevo, por que sei que há pessoas no Nyah que escreve só para matar tempo, ou apenas para ganhar popularidade! Por que vemos que algumas delas não se esforçam nem um pouco a evoluir. E nesses casos, não há o que fazer.

    Bom, MUITO obrigada pela tua contribuição! E fico muito feliz por saber que gostastes do texto! :) Sinta-se livre para fazer qualquer comentário!
    bjss :************

    ResponderExcluir
  14. Hallo outra vez :D

    Bom... Mais ou menos XD. Estudei até ao último ano do ensino secundário. Chama-se ensino médio no Brasil, acho eu... O último ano antes da Universidade/ Faculdade. Dia 9 vou saber se entrei ou não no(s) curso(s) que escolhi na Universidade :P
    Tive aulas de Literatura durante dois anos, mas, nesse tempo, apenas dois meses com uma professora excelente; depois tive substitutas que sabiam tanto quanto eu... XD
    Quero muito seguir literatura, edição de livros/ revisão de textos/ tradução... XD TUDO! XD Mas ainda não estou a estudar isso... (se isto fosse escrito em papel, eu sublinharia o "ainda" até rasgar a folha XD, se eu não entrar na faculdade vou ter um ataque e morrer XDD)
    --- Hmm... Mas passei a vida toda a ler e a escrever muito xD acho que é apenas isso que te deixou com essa impressão assustadora a meu respeito ... XD Tenho muita prática em leitura e análise, aprendi sozinha XD. Não te preocupes, o post está muito bem escrito, organizado e explicado :D , gostei muito! :DDD
    "O que é que queres fazer quando fores grande?", pergunto-te eu agora :) ? Por acaso, tenho curiosidade em saber... Escreves muito, mas podes não querer ser escritora, ou não ter a certeza se é esse o caminho que queres seguir... E em quê que se baseia o teu curso :) ?
    PS: esqueci-me q tinha conta no google quando escrevi o comentário acima XD , fui procurá-la para te seguir aqui e agora comento com ela :P

    Beijinhos ^_^ !

    ResponderExcluir
  15. Oi, Ana, desculpe a demora pra te responder...provavelmente, nem lerás isso aqui, acho que nem deves te lembrar desse comentários que escrevestes, mas vou respondê-la assim mesmo...T__T
    Bom, primeiro, não sei como funciona para entrar numa faculdade aí, mas se tu estivesses aqui, no Brasil, com certeza entrarias numa faculdade, sem problema algum! Só pelo fato de escrever bem, já conseguirias ótimas notas em redação e português, que contam muitos pontos. A quantidade de gente que escreve mal, mas digo MAL MESMO, é incrível. é de fazer qualquer um chorar rios de lágrima. E olha que já encontrei até professores que escrevessem errado no quadro negro... mas enfim,respondendo a tua pergunta sobre o que quero ser quando crescer...hehe..ser escritora seria legal, mas reconheço minhas fraquezas nessa área, então, me limito a postar fics cliches no nyah mesmo, apenas por diversão. Sinceramente, eu não tenho certeza ainda do que quero fazer...estou estudando letras, pra trabalhar com tradução do inglês para o português, mas não tenho certeza de que é isso mesmo. Acho que eu gostaria mesmo é de trabalhar com ilustração (tenho um outro blog com desenhos que faço) mas essa é outra área bem complicada aqui no Brasil...então, por enquanto, continuo fazendo o curso de letras.

    Ah, feliz ano novo pra ti, querida!
    bjss :*************

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...